Historia, Arte, Magia e Tecnologia

 

O Tarot é uma máquina verdadeiramente filosófica, que evita que a mente devaneie, ao mesmo tempo que deixa a sua iniciativa em liberdade; ele é a matemática aplicada ao Absoluto, a aliança do positivo com o ideal, uma loteria de pensamentos exatos como números, talvez a mais simples e mais grandiosa concepção do gênio humano… Se uma
pessoa que estivesse encarcerada sem nenhum outro livro além do Tarot soubesse como utiliza-lo, poderia em poucos anos adquirir conhecimento universal e seria capaz de falar a respeito de todos os assunto com inigualável cultura e com inesgotável eloqüência…
(Eliphas Lévi)

TAROT
O esoterismo há milênios se utiliza de jogos, lendas , mitos, simbolos, sonhos e enigmas para preservar o grande arcanum. Segundo a Tradição, os Sacerdotes Egípcios de Memphis, Herdeiros da Sabedoria Atlântica e Guardiões dos Mistérios Sagrados previram uma época de decadência espiritual da humanidade e, com isso, a perseguição aos seus ensinamentos sagrados. Convocados pelo Grande Hierofante, em uma reunião secreta, no interior do Templo da Grande Pirâmide, os Grãos-Mestres ocultavam seus conhecimentos através de símbolos, ritos e ideogramas esotéricos. Até que o mais sábio entre os presentes, concluiu que durante o declínio moral da humanidade, o vício iria prevalecer. Criaram-se assim os jogos. Para preservar os Ensinamentos Iniciáticos contidos no Livro Sagrado de Thoth da destruição.

E assim, os Arcanos, As Verdades Eternas, estariam perpetuadas , até uma época em que a humanidade superasse o fascínio da matéria e passasse a valorizar mais a alma e a transcedência. E, só assim os mistérios poderiam ser transmitidos novamente.

Historicamente, desde 1380, que o tarot  se tornou instrumento de jogo, de vício, de diversão em Casas de Jogos e adivinhação na corte européia.

As poucas obras de cartomancia até o final do século XIX foram escritas por: Julia Orsini, Mlle Le Normand, Mlle Bogart, Etteilla e Gebellin.

Tanto na língua inglesa quanto na língua francesa não há qualquer diferenciação entre as cartas de jogatina e as cartas do Tarot.

Em inglês:
tarot cards: cartas de tarô;

tarock: taroco, um tipo de tarô para jogatina;
tarot reader: leitor de tarô e qualquer tipo de carta;
fortune tellers: contador de fortuna ou cartomante;
cards reader: leitor de cartas;
playing cards: jogando cartas, ou jogador de baralho ou cartas em jogatina. A diferenciação está nos verbos to read (ler) e to play (jogar).

Em francês:
cartes à jouer: cartas de jogar;
cartes divinatoire: cartas advinhatórias
tarot à jouer: tarô de jogar
tarot divinatoire: tarô adivinhatório;
jouer le tarot: jogar o tarô;
consulter le tarot: consultar o tarô. A diferença é na nominação das cartas jouer (jogar) e divinatoire (adivinhatória).

O Tarot passa a ser ensinado, esotericamente, e de forma pública, só partir do século XIX.


Mestre Papus

O médico francês Gerard Encouse (1865/1917), ou Mestre Papus, utilizou o termo ‘tarô esotérico’ para diferenciar um saber tradicional preservados por símbolos, ideogramas, letras; mudando o paradigma da cartomancia vigente na época, em seus livros sobre o Tarot:

– O Tarô dos Boêmios (1889);
– O Tarô Adivinhatório (1909).

E outros autores entre 1860 e 1920 como: o Abáde Elíphas Lévi, o Mestre Maçon Oswald Wirth, Falconieur, McGregor, o Mago Aleister Crowley, Waite, Muni Shadu e Zain criaram a literatura sobre Tarologia.

No Oriente Médio e norte da África (países islâmicos) qualquer tipo de jogos de azar ou oraculares são proibidos pelo Alcorão, portanto, essas culturas desconhecem qualquer coisa que se assemelhe as cartas.

Toda a sabedoria, ciência e pensamento esotérico permanecia oculto em uma linguagem hermética só disponível aos Iniciados. Todos os Livros Sagrados como: o Torah, o Alcorão e a Bíblia possuem esse simbolismo iniciático, hermético e cabalístico.

Centenas de estudiosos, cientistas e ocultistas renomados escreviam sobre essa sabedoria que se manteve oral e decodificada em alfabetos, símbolos e ritos cabalísticos.

Podemos citar:
Agripa, Flamel, Dee, Boeme, Lulle, Vaughan, Fludd, Kisher, Caglhiostro, Barret , Paracelso, Giordano Bruno, Samuel C. Hahnemann (Mestre Rosa-Cruz e Criador da Homeopatia),

mais recentemente, Carl Gustav Jung (que em que toda a sua literatura sobre Alquimia, Magia e simbolismo se adequam perfeitamente ao Tarot, embora este fez uma pequena menção). Devido a forte repulsa e preconceito que há, historicamente, por conta da má utilização dessa simbologia em jogos de azar e em adivinhações sensacionalistas, como vemos até o dia de hoje.

Nenhum estudo de filosofia oculta é possível sem uma familiaridade com simbolismo, pois se as palavras ocultismo e simbolismo são corretamente utilizadas, elas significam quase que a mesma coisa. O Simbolismo não pode ser aprendido como se aprende a construir pontes ou a falar uma língua estrangeira.

A interpretação de símbolos requer um estado mental especial; além do conhecimento tangível, faculdades especiais (como o pensamento criativo e a imaginação). Alguém que entenda o uso do simbolismo nas artes, sabe, de maneira geral, o que significa simbolismo oculto. Porém, mesmo neste caso, um treinamento especial da mente é necessário, para a compreensão da “linguagem dos Iniciados”, e para expressar nesta língua, as intuições, à medida em que são levantadas.

Existem muitos métodos para o desenvolvimento do “sentido dos símbolos” para aqueles que procuram conhecer as forças ocultas na Natureza e no Homem. Assim como, ensinar os princípios fundamentais e os elementos da linguagem esotérica. O mais sintético, e um dos mais interessantes destes métodos, é o Tarot. Este estudo, entretanto, obedece regras especiais, pois um símbolo pode servir para engatilhar e transferir nossas intuições e sugerir novas. Apenas quando, seu sentido não é definido; por isso, símbolos reais como o Tarot, estão perpétuamente em processo de criação, porque recebem um significado definido, tornam-se hieróglifos e finalmente, um mero alfabeto. Desta forma passam a expressar conceitos ordinários, deixando de ser a linguagem dos Deuses ou dos Iniciados e tornando-se meramente uma língua, que qualquer um pode aprender….

“…As letras do alfabeto hebraico e várias alegorias da Cabala; os nomes dos metais, ácidos e sais da Alquimia; os planetas e constelações da Astrologia; os bons e os maus espíritos da Magia – todos estes aspectos estão contidos no Tarot, de modo velado aos não iniciados. Mas quando o verdadeiro alquimista procura pelo ouro, procura o ouro da alma humana; quando o astrólogo fala de constelações e planetas ele fala de constelações e planetas na alma humana ou seja nas qualidades da alma humana e sua relação com Deus e com o mundo; e quando o verdadeiro cabalista fala no Nome de Deus, imagina Seu Nome na alma humana e na Natureza, não em livros mortos ou textos bíblicos, como faziam os cabalistas escolásticos. Assim Cabala, Astrologia, Alquimia e Magia são sistemas paralelos de metafísica e psicologia, simbolicamente representados pelo Tarot. Desta forma, qualquer Arcano do Tarot ou qualquer sentença alquímica pode ser lida de modo cabalístico ou astrológico, mas o seu significado será sempre psicológico ou metafísico.”
(P. D. Ouspensky)



Sobre o Tarot escreveu Éliphas Leví:

“Existe um livro que, apesar de muito popular e de podermos encontrá-lo em todos os lugares, é o mais desconhecido e o mais oculto de todos, porque contém a chave de todos os outros […] obra monumental e singular, simples e forte como a arquitetura das pirâmides; portanto durável como elas. Livro que resume todas as ciências, e cujas combinações infinitas podem resolver todos os problemas; livro que, falando, faz pensar. Talvez a obra-prima do espírito humano e, seguramente, uma das coisas mais belas que a antigüidade nos legou.”

A Magia está em você!

 

O Oráculo:“Cada carta representa um mistério da natureza humana. Quando consultamos o Oráculo, o lado místico e mágico presente nesta combinação de imagens e números, faz com que o inconsciente surja em fluxo direto, até o estado de consciência plena. Em outras palavras: através deste processo, nossa percepção, reprimida pelo mundo racional e lógico em que vivemos, vem à tona. A intuição se manifesta como uma verdadeira radiografia do inconsciente, podendo proporcionar o afloramento de um conjunto de emoções, vivências e sentimentos que geralmente ignoramos possuir.” Prof. Namur Gopalla Para que as consultas ao Oráculo sejam mais rápidas, primeiro visualize
as Lâminas do Tarot Namur.


O que diz o Oráculo

Através do Tarot podemos conhecer melhor as pessoas, a nossa própria vida, o passado e o futuro. Mas de que maneira isto acontece?

A simbologia dos Arcanos funciona como elemento intermediário entre o mundo externo e o interno. Cada carta representa um mistério da natureza humana. Quando consultamos o Oráculo, o lado místico e mágico presente nesta combinação de imagens e números, faz com que o incosciente surja em fluxo direto, até o estado de consciência plena.

Em outras palavras: através deste processo, nossa percepção, reprimida pelo mundo racional e lógico em que vivemos, vem à tona. A intuição se manifesta como uma verdadeira radiografia do inconsciente, podendo proporcionar o afloramento de um conjunto de emoções, vivências e sentimentos que geralmente ignoramos possuir.

Inúmeras Possibilidades

O universo mágico do Tarot possibilita uma viagem no tempo e a outras dimensões. Podemos proceder a uma síntese do passado, analisar o presente ou mostrar como as coisas estão programadas para acontecer, ajudando as pessoas não só para prever, mas principalmente a lutar pelo futuro.

O Tarot também pode ser usado para informações de ordem prática. O importante é o reconhecermos nossa própria história para conquistarmos a oportunidade de trabalhar erros e imperfeições. O homem não é um obra acabada e deve buscar sua evolução através do autoconhecimento.

Sensibilidade

É preciso tomar cuidado na leitura. As cartas nunca mentem, por isso, fale sempre o que estiver sentindo quando interpretá-las, evitando colocá-las para pessoas muito íntimas. Conseguimos melhores resultados com pessoas que não conhecemos bem.

A sensibilidade é um fator fundamental na consulta do Tarot.


Como Colocar O Tarot

O ambiente é importante. Deve ser silencioso para facilitar a concentração, sem músicas de fundo ou movimentos que dispersem a concentração.

De preferência, jogue as cartas sobre um pano preto e guarde sempre o baralho com o Mago, a lâmina 1, na frente. Não se esqueça de anotar os jogos num caderno reservado especialmente para isso, mantendo assim um diário. É a melhor forma de você ver como o Tarot revela sua magia, o seu poder pessoal.

A pessoa que está se consultando deve sentar-se diante de quem está lendo, com as pernas e os braços descruzados para não desfavorecer o fluxo de energias.

Guarde um tempo antes e depois das refeições e não coloque as cartas se você tiver bebido ou estiver com sono.

É importante não tentar impressionar a pessoa que está se consultando. Diga tudo que estiver sentindo, ainda que seja pouco. Lembre-se que as mensagens do Tarot são ilimitadas. Os limites estão nos tarólogos. Existem mais de 500 maneiras ou métodos diferentes de jogar Tarot, dependendo do que se quiser saber.

 

 

 

 

Comments are closed.

Visit Us On FacebookVisit Us On TwitterVisit Us On Google PlusVisit Us On Youtube